sexta-feira, 17 de outubro de 2014

Berlim (02/10/14 a 07/10/2014)

Adorei Berlim!




A cidade é extremamente organizada e o povo é muito simpático. Além disso, é uma aula sobre a história recente da humanidade, em especial a II Guerra Mundial e a Guerra Fria. 

Cheguei dia 2 de outubro à noite e fiquei hospedada no Ibis Budget Alexanderplatz. Sobre o hotel nem tem muito o que comentar, é o padrão Ibis. Mas é bem localizado, próximo a Alexanderplatz e tem um ponto da linha 200 (que vai para vários pontos turísticos) bem na esquina.
O táxi do Aeroporto Tegel (TXL) até o hotel deu cerca de 20 euros. Tem também um ônibus de linha (TXL) que vai do aeroporto até a Alexanderplatz, mas é um ônibus comum (não executivo) e no horário em que eu cheguei estava bem cheio, então preferi o táxi mesmo.


No dia 3 de outubro fiz um walking tour com a Insider Tour Berlin http://www.insidertour.com
O que eu fiz foi o famous walk, que começa 10h30 e vai até 14h30, com uma pausa de 30 minutos para lanche. Achei muito interessante para iniciar a visita, passa pelos principais pontos de Berlin: ilha dos Museus, Berlin Dom, a praça onde os nazistas queimaram livros, o Checkpoint Charlie, o Memorial aos Judeus Mortos, Portão de Brademburgo e muito mais. E o melhor são as explicações, uma aula de história. E por 12 euros, super vale a pena. Eu fiz em inglês, mas tem em outros idiomas também.


Visitando o Reichstag  - Deutscher Bundestag
No dia seguinte fui ao Reichstag, um dos melhores passeios que já fiz. E de graça. Fiz uma visita guiada que vai por todo o prédio e termina no domo. Também é possível visitar só o Domo, mas acho que a visita guiada vale a pena. 
É preciso agendar com antecedência pelo site http://www.bundestag.de/htdocs_e/ clicando em Visit the Bundestag e aí escolher qual a opção que você quer ou indo direto em https://visite.bundestag.de/BAPWeb/pages/createBookingRequest.jsf?lang=en 
Você faz a solicitação e eles te enviam um email dizendo se há disponibilidade e para qual horário. Depois você precisa informar o nome dos visitantes. Aí eles te enviam uma correspondência que deve ser apresentada no dia e eles também já vão ter seu nome na lista de participantes daquele horário.
A visita dura cerca de uma hora. O prédio do Reichstag foi incendiado em 27 de fevereiro de 1933 e esse fato foi um marco para o fortalecimento dos nazistas. Hitler colocou a culpa no partido Comunista e prender adversários políticos. Mais informações aqui. Também existe a teoria de que os próprios nazistas atearam fogo para colocar a culpa nos comunistas. 

A cúpula transparente simboliza a transparência da democracia. E como as pessoas podem caminhar pelo Domo, isso representa que os parlamentares estão sempre sendo observados pela sociedade. Quem conhece o Congresso brasileiro sabe que aqui a coisa é bem diferente :( 
Outra coisa que é diferente é que na Alemanha eles não usam botões para votar, a votação é feita do jeito tradicional, levantando a mão. À primeira vista parece "ah, nós brasileiros estamos muito a frente nesse sentido..."Mas veja, não é que eles não saibam que existem botões e painéis para votação, ou que não tenham essa tecnologia, mas sim porque não confiam nesse sistema. Para algumas votações eles usam cartões com códigos de barras (cada parlamentar recebe três cartões: sim, não e abstenção e depositam o correspondente numa urna). 












Os assentos são separados por partido.

Nessa parede estão as inscrições feitas pelos soldados do Exército Vermelho quando eles tomaram o prédio em 1945. Foram preservadas e são consideradas parte da história do prédio e do país. 

Nessa sala a Chanceler Angela Merkel se reúne com seu partido. Ela senta bem nessa cadeira onde eu sentei. Reparem como tudo é muito simples. 


O Domo é aberto, por isso a visitação depende das condições climáticas. 

Andando por Berlin - linhas 100 e 200 

Um jeito muito fácil de andar por Berlin é pegar os ônibus das linhas 100 e 200. 
Abaixo os itinerários. Uma passagem custa 2,40 euros e pode comprar direto do motorista. Nos pontos de ônibus há painéis eletrônicos que mostram quais linhas param ali e quantos minutos faltam para cada ônibus chegar. 

Linha 100


Linha 200




Checkpoint Charlie 

Depois da Segunda Guerra Mundial, a Alemanha foi dividida entre os aliados, França, Inglaterra, Estados Unidos e Rússia. A cidade de Berlin, apesar de ficar na parte do território russo, também foi dividida entre os quatro aliados. Marcando a divisão entre o lado Oriental e o Ocidental haviam 3 checkpoints (ou pontos de cruzar a fronteira). 

O Checkpoint Alpha marcava a divisão entre a Alemanha Oriental e Alemanha Ocidental. 
O Checkpoint Bravo ficava na separação entre a Alemanha Oriental e Berlin Ocidental e o Checkpoint Charlie marcava a separação entre Berlin Oriental e Berlin Ocidental. 

Segundo o meu guia do Walking Tour, tudo o que existe no Checkpoint Charlie hoje é meio fake, feito para os turistas. Há um museu, mas eu não cheguei a visitar. Mas nos arredores do Checkpoint Charlie há vários painéis nos muros com informações históricas em alemão e em inglês.

O muro de Berlin foi construído, em agosto de 1961, pelos russos na parte oriental da cidade para evitar que a população passasse para o lado Ocidental. 
Atualmente, o local onde ficava o muro é marcado com essas duas linhas de pedras e essas placas. Se a placa está no sentido normal, você está no lado oeste. Se está de cabeça para baixo, você está no lado leste. O pé, no caso, está no lado oriental.



Topografia do Terror

É um museu e uma série de painéis informativos no local onde funcionou a Gestapo e a SS e onde ainda há uma pequena parte do muro de Berlin.
A II Guerra Mundial começou quando a Alemanha invadiu a Polônia. Isso todo mundo estudou na escola, mas estar lá no local, ver as fotos e as frases dos nazistas dizendo que queriam destruir a Polônia foi algo que me tocou (meu avô era alemão e minha avó era polonesa, eles vieram para o Brasil muito antes da II Guerra, mas provavelmente deixaram parentes por lá). 
Para ter uma ideia da destruição causada pelos nazistas, antes da II Guerra a população de Varsóvia era de 1,3 milhão de habitantes. Quando o Exército Vermelho tomou a cidade em 1945, só haviam cerca de 174.000 habitantes. Mais informações aqui. 



Nenhum comentário:

Postar um comentário