quinta-feira, 23 de outubro de 2014

Munique (München) Alemanha (7/10/14 a 10/10/14)

Fui de avião (Air Berlin) de Berlin para Munique. O vôo saiu do aeroporto Tegel. Na chegada ao Tegel tem um painel eletrônico bem grande que indica em qual portão sai cada vôo. Você faz check in, despacha a mala e embarca pelo mesmo lugar, não precisa atravessar o aeroporto, então quando estiver chegando já veja em qual portão tem que ir.

O vôo foi pontual e tranquilo. Servem bebidas e snacks e um chocolatinho na saída. 

Como ir do aeroporto de Munique até o centro da cidade
Na chegada em Munique peguei o Lufthansa Airtport Bus, que faz algumas paradas na cidade e chega até a estação central de Munique (Hauptbahnhof ou hbf). Custa 10,50 euros e é um ônibus executivo. Ótima opção para quem viaja com malas!
De lá peguei um táxi até meu hotel (cerca de 2,5km), deu mais 10 euros. 

Fiquei hospedada no Das Hotel in München 
Türkenstraße 35
80799 München
Alemanha
O hotel é meio antigo, e o preço não foi dos melhores, mas foi o melhor custo benefício que consegui encontrar. É próximo das Pinakothekes e dá para ir andando até a Marienplatz. O café da manhã é bom, mas nada demais. 

Fiz um citytour com a CitySightSeeing, mas não gostei muito não. Eles deixavam o áudio em alemão no autofalante então ficava difícil de entender inglês com os fones. Mas é um opção quando você quer ir em vários locais distantes em pouco tempo. São três linhas. Eu fiz a do centro sem descer primeiro e depois peguei a que vai para o Oympiapark. 

Minha primeira parada foi no Olympiapark, construído para os jogos Olímpicos de 1972. Tem uma torre que permite essa vista panorâmica, 5,50 para subir. Da torre dá para ter uma visão muito boa da cidade, além de todo o parque. 








Realmente o parque é muito bonito. Em frente fica o Museu da BMW, mas nesse eu não fui. O estádio do Bayern, que eu queria ir, fica muito longe da cidade, então também acabou não rolando.

Minha próxima parada foi na Marienplatz. Almocei na Hofbrauhaus. Lá as mesas são grandes e compartilhadas. Eu sentei com mais três meninas, uma chinesa, uma espanhola e uma polonesa. 
O lugar é bonito e bem turístico, a comida e a bebida são boas e os preços razoáveis.  




A Marienplatz é uma graça. Lotada de turistas. Mas gostei muito dessa parte da cidade, mais histórica, me lembrou Florença. 

Em Munique também tive que usar minha tática de levantar muito cedo para conseguir tirar fotos sem os milhares de turistas. Sempre vale a pena, a luz é muito mais bonita e você pode experimentar vários ângulos sem tanta gente no caminho.


Neues Rathaus - Nova prefeitura



Glockenspiel - carrilhão. Aí você pergunta "mas o que é um carrilhão?" É tipo um relógio cuco animado gigante! Não sei se falando assim parece legal, mas garanto que é. Ele toca às 11h e às 17h. São oito minutos de música em que bonecos gigantes contam a história de Munique. 


No centro da praça tem uma coluna com uma estátua dourada de Maria, que dá nome à praça (Marienplatz = Praça de Maria)

Altes Rathaus  - Velha prefeitura


Virtualienmarket - barraquinhas com produtos variados, principalmente comidas. 

(em frente ao Virtualienmarket tinha uma perfumaria Hela com os melhores preços! Um creme Shiseido, que na Douglas e na Sephora custava cerca de 80, aqui estava 60 euros #ficaadica )


IsarTor Portão de Isar





Frauenkirche  - um dos símbolos de Munique. uma das torres estava em reforma, mas a igreja estava aberta

Odeonplatz


Residenz - Sede do governo e residência dos Duques Bávaros, "eleitores" e reis, de 1508 a 1918. São muitas salas, apartamentos, quartos ricamente decorados. Destaque para a sala dos espelhos. Visitei o museu e o tesouro por 11 euros. 





Michaelskirche 
Jesuitenkirche St. Michael
Neuhauser Straße 6
80333 München


Mais uma do centro histórico













Innsbruck (de 10/10/14 a 11/10/14)



Por que Innsbruck? O que tem lá para ver afinal?


 olha a cor do rio Inn
Aproveitando a deixa... Inn é o nome do rio e bruck significa ponte, então literalmente Innsbruck = ponte sobre o rio Inn


telhadinho com folhas de cobre que parece ouro

Fui de trem de Munique para Innsbruck.
Comprei pelo site raileurope.com, paguei 49 euros.
Fiquei hospedada no Adlers Hotel, que fica do lado da estação de trem. O hotel é muito bom, foi o melhor da viagem. Fiquei num quarto com vita 180º. Mas o problema são as expectativas! Eu estava esperando ainda mais desse hotel! Quando eu reservei, vi que tinha banheira nas fotos, mas quando cheguei lá, só tinha chuveiro. Tudo bem que era um chuveiro maravilhoso, super potente. Mas não era o que eu esperava. A vista tb era incrível, mas meu quarto ficava virado para a estação de trem, penso que o outro lado devia ser mais bonito.




Enfim...



centrinho histórico, e o telhadinho dourado no fim da rua

Mesmo em outubro estava quente e deu para sair de vestido

Innsbruck é uma cidadezinha (na verdade não é tão pequena assim, tem 180.000 habitantes, eu imaginava que era bemmm menor) encravada no meio dos alpes tiroleses.

Aliás o caminho entre Munique e Innsbruck já era lindo. Passamos na região de Tirol, na Áustria. Foram as pessoas dessa região que colonizaram Treze Tílias, Blumenau...

Encontrei uma velhinha no trem que me contou essa história, mas nem precisava porque pelas construções já dá para ver a semelhança.

Fiquei só um dia em Innsbruck, mas foi como uma parada estratégica, depois de tantos dias andando muito em Berlim e Munique. Ficar num hotel mais legal, relaxar um pouco e tirar fotos lindas.

O centro histórico concentra as principais atrações. Como fui no outono, as estações de esqui estavam fechadas e não tinha neve nem nos topos das montanhas.

Estava tendo uma feirinha de produtos franceses e confesso que foi um alívio ouvir um idioma conhecido depois de tantos dias não entendendo nada em alemão.

Homem desconhecido na ponte, bicicletas, lua cheia...


Milano (de 11/10/14 a 13/10/14)

Minha passagem por Milão foi rapidinha. Cheguei dia 11 à noite e fui embora dia 13 de madrugada.


Fui de trem de Innsbruck para Verona e de Verona para Milão. O tempo de conexão era de mais de meia hora, mas como o primeiro trem atrasou, foi super corrido, mas no final deu tudo certo.

Cheguei em Milão na estação Milano Centrale e de lá peguei um táxi até meu hotel, o Best Western Ascot. O táxi deu 12 euros.
O hotel é antigo, com jeito de hotel de antigamente mesmo. O staff é super atencioso, o café da manhã incluso é muito bom e só. O hotel é todo em carpete então um pouco ruim para pessoas alérgicas...

O dia em que eu cheguei era um sábado e eu havia comprado ingressos para ver o balé Romeo e Giulietta no Teatro alla Scala... top né? #sqn.
Primeiro que tudo foi um estresse. Cheguei na praça do Duomo e sabia que o teatro era ali pertinho, mas ninguém sabia informar nada. Nem os policiais. Ninguém sabia onde era o box office para retirar os ingressos...e depois da organização da Alemanha, a Itália parece uma zona mesmo. Sei que depois de muito perguntar, consegui retirar meu ingresso. Faltando só 50 minutos para começar o balé, preferi comer no McDonald´s mesmo. Aí as pessoas falam "McDonald´s?! Na Itália?! Que heresia! E fazem aquela cara de c#...Sinceramente, depois de horas e horas viajando sem comer e com o tempo contado, o orçamento estourando, nada melhor que um bom e barato McDonalds!!!

Beleza, comi meu lanchinho e voltei para o Teatro. Eu estava de saia e bota de montaria, mas todo mundo estava super arrumado. Tinha gente de casaco de pele! Detalhe que estava uns 25 graus! E lá dentro o calor era ainda maior.
Então, fui para o meu lugar. Quando eu comprei, acabei escolhendo o lugar mais barato, que nem era barato, custou cerca de 70 euros. Era um camarote, com cinco lugares, duas cadeiras, dois banquinhos e um banco mais alto, o meu no caso. Só dava para ver um lado do palco, então foi um pouco frustrante. Porque quando você compra, eles informam que é vista parcial, mas eu imaginei que era uma coluna ou algo assim, mas do jeito que realmente é fica muito difícil acompanhar o espetáculo. Então meu conselho seria: ou você gasta mesmo e vai num lugar BOM e caro ou é melhor nem ir.




Agora uma coisa que vale muito a pena ir é a Última Ceia, de Leonardo DaVinci, no Cenacolo Vinciano, Santa Maria delle Grazie, que foi o que me levou a querer ir para Milão.
Os ingressos podem ser comprados por esse site.

Igreja Santa Maria delle Grazie, de Dontato Bramante


Eu comprei com bastante antecedência, no dia que abriu a venda para o dia que eu estaria em Milão.
É preciso chegar um pouco antes, eu devo ter chegado uns 15 minutos antes, para retirar o ingresso. A visita é pontual e cada grupo só pode permanecer 15 minutos na sala. O ambiente onde a Última Ceia foi pintado era o refeitório do convento. Em uma das paredes está a Última Ceia de Leonardo Da Vinci e na parede oposta A Crucificação, de Giovanni Donato Montorfano.



Entrada do Cenacolo

A técnica usada foi Leonardo não foi afresco, como o que foi feito por Michelangelo na Capela Sistina, por exemplo. Só esse fato contribuiu muito para a degradação da pintura.
Aliado a isso, a umidade do local, mais séculos de restaurações inapropriadas e para completar, o prédio foi bombardeado pelos ingleses na Segunda Guerra Mundial. Então o fato de ainda podermos ver essa pintura já é por si só impressionante.

De lá voltei caminhando até o Castelo Sforzesco. Não cheguei a visitar por dentro.






O caminho do Castelo para o Duomo é por uma avenida peatonal, lugar muito turístico e como era domingo, o único lugar onde as lojas estavam abertas. 



 
A câmera não entendeu que o foco deveria ser em mim! E ainda saí com anteninhas! =/ 


A entrada no igreja do Duomo é gratuita, com a restrição de que não pode entrar de regata nem short. E com uma taxa de 2 euros para tirar fotos. Também há a opção de visitar o terraço e o batistério. Mas no terraço só a subida é de elevador, então para mim nem pensar. Gente, não é que meu preparo físico seja horrível, muito pelo contrário, simplesmente sou ligeiramente claustrofóbica e tenho vertigem em escadas! Então depois da experiência na Sagrada Família, onde eu desci todos aqueles degrauszinhos minúsculos, num ambiente escuro e apertado, perguntando "Por que me testas, oh Senhor?!" decidi que escadas realmente não são para mim. 


Galeria Vitorio Emanuelle II



Ah com deve ser bom ser rico. Aqui encontramos várias das melhores marcas, como Gucci, Prada... A Galeria é muito bonita e está logo ali do lado do Duomo, então vale a visita. 

Agora uma coisa que não vale a pena é marcar seu vôo de chegada ou de saída de Milão de madrugada e precisar ir a Malpensa de táxi. Como meu vôo saía às 6h30 da manhã, não tive muita opção e tive que morrer com 100 euros num táxi. =(












sexta-feira, 17 de outubro de 2014

Alemanha e Áustria - comidas, bebidas e compras (outubro de 2014)

Compras:

Cosméticos, perfumes e maquiagem
 - Douglas: estilo Sephora, tem várias espalhadas por Berlin, Munique e em Innsbruck também tem.
 - Perfumaria Hela: também tem várias em Berlin e Munique. Achei os preços melhores que a Douglas.

Materiais artísticos:
 - Boesner tem vários tipos de tintas, canetas, pincéis, telas, até passe-partout, molduras, livros (em alemão). As canetas stabilo, por exemplo, custaram 13 euros por um estojo com 25 canetas .88. A Boesner não aceita cartões de crédito.



Outro lugar bacana para comprar materiais artísticos é a Idee.KaDeWe. Lá tem muita coisa para quem faz artesanato, scrapbooking, tecidos, tintas, muita coisa.


Isso é o display de botões - muita variedade mesmo. 

Na KaDeWe também tem algumas coisas, como canetas, lapiseiras, lápis de cor. Lembrando que Faber Castell, Stabilo e Staedtler são marcas alemãs, então além de ser mais barato, é legal comprar até como souvenir. 


Comer e beber nunca é o forte nas minhas viagens. Acabo comendo em qualquer lugar mesmo, onde for mais rápido. 

O que eu achei legal na Alemanha foi encontrar coisas que eu comia quando criança, como strudel e principalmente chineque! Nem sabia que o chineque era de origem alemã (schnecke) e os que eu comi em Munique eram infinitamente mais gostosos do que os que eu comia quando criança, sem contar que tinha várias opções e na minha infância era basicamente um pão redondo com um pouquinho de creme no centro. Também encontrei o pão estrela, que tinha em Joinville. 

Hofbräuhaus  - MUNIQUE

É um lugar bem turístico, a comida é boa, a cerveja também, mas nada espetacular. Mas vale a visita.










Salsicha "Viennese" numa caminha de chucrute (sauerkraut)
Apfelstrudel (strudel de maçã) com creme 

Dallmayr - MUNIQUE
Endereço: Dienerstrasse 1415 | 80331 Munich, Germany
Fui no Café-Bistrô. No piso térreo tem uma infinidade de coisas para escolher, entre doces, chocolates, porções de comidas salgadas, tudo o que você puder imaginar. Eu fui no piso superior, tomei um café e comi uma tortinha de limão que estava MARA!!

BallaBeni - MUNIQUE
Theresienstraße 46
80333 München
Alemanha
Sorvetes. Muito bom, estilo gelato italiano. 1,50 euro cada bola. 


Endereço: Charlottenstraße 60 
No térreo é uma loja de chocolates MARAVILHOSA e no 1º andar tem um café com várias sobremesas e wifi grátis.




Barraquinhas atrás do portão de Brandemburgo (Brandenburg Tor). Não sei se elas ficam lá o ano todo ou se estavam por causa da Oktoberfest. De qualquer forma, tinha várias, vendendo wurst (salsicha) em várias apresentações, com destaque para o currywurst (essa aí de baixo) e o bratwurst (que nada mais é do que um pão com uma salsicha gigante dessa). A porção com fritas variava entre 3,50 e 5 euros.


Currywurst com batatas (pommes) e cerveja


Aqui o mesmo em outra apresentação





Hawaii - Oahu - 13 a 28 de junho de 2012

Hawaii!
Uau, parece um sonho tão distante... mas hoje em dia, com boas promoções não é nada impossível não. 
Fui para lá em junho de 2012. 
Voei de American Airlines (Brasília-Rio-Dallas-Honolulu na ida e Honolulu-Los Angeles-Miami-Brasília na volta). Caramba, só de escrever já parece cansativo. E é mesmo. Se fosse programar a viagem hoje, pensaria em aproveitar para combinar o Hawai com a Califórnia, assim seria mais proveitoso e menos cansativo. Uma coisa que realmente pegou para mim foi o jet leg. Eu até já tinha viajado bastante e nunca tinha sentido nada, mas dessa vez, por a viagem ser muito longa e por causa do fuso horário, meu organismo ficou bem confuso...

O Hawai é um dos 50 estados americanos, um arquipélago formado por 6 ilhas: Kauai, Molokai, Lanai, Oahu, Maui e Big Island (ou Hawaii Island).  Dessas, eu visitei as três últimas. 

Oahu é onde está situada Honolulu, que é muito maior do que eu imaginava. 
Hanauma Bay, lugar cheio de corais e peixinhos! Leve seu snorkel e câmera aquática!


Waikiki Beach, pôr-do-sol e surfista fazendo meditação.


Estátua de Duke, o pai do surfe, em Waikiki Beach
Durante o período que estive lá, vi pelo menos dois casamentos em frente a essa estátua, muito legal! (#ficaadica)


Vista de Diamond Head, tá vendo como Honolulu é grande?


Mulher fazendo lei, o famoso colar de flores.

Dicas práticas: onde ficar, como se locomover por lá
Em Honululu fiquei num hostel, na praia de Waikiki, chama Waikiki Beachside Hostel. Reservei pelo Hostelworld. Foi uma ótima opção! Era um quarto com quatro camas, sem ser beliche e só para mulheres. Dentro do quarto tinha banheiro e cozinha. 
Do lado do hostel tinha uma ABC store, que estão espalhadas pela cidade toda, onde dá pra comprar de protetor solar a comidinhas.
Do aeroporto para  centro eu usei shuttles, e acho que é a melhor opção, porque é bem longe. 





Bubba Gump, restaurante muito bom e com bons preços. Esse ficava dentro do shopping em Ala Moana.