terça-feira, 26 de julho de 2011

Firenze!

Firenze (Florença)!!! De 31 de maio a 4 de junho de 2011



vista da Praça Michelangelo

Amei, amei, amei. Por mim, ficava morando lá. (Quem sabe um dia?)

Pensa numa cidade italiana, renascentista. Limpa, não muito grande, mas com tudo que você precisa para viver muito bem. Além de ter o museu mais maravilhoso-fantástico-do- mundo - a Galleria Degli Uffizi. 

Cheguei de trem, vindo de Veneza (umas 2h de viagem). Desci na Estação Santa Maria Novela (Firenze SMN) e fiquei hospedada ali perto, no Hotel Albani, que recomento muito! Foi o hotel mais caro da viagem (cerca de 140 euros a diária), mas valeu muito a pena. Ele não é só um pouco melhor que os outros... ele é MUITO melhor. O banheiro todo em mármore, banheira, aquecedor de toalhas, camas maravilhosas, e camareiras que deixam a previsão do tempo com balinhas de goma! Ai que mimo! Foi o melhor hotel que já fiquei na vida! Tá certo que isso não quer dizer muito, porque sempre fico em lugares bem simples, então esse foi um upgrade e tanto. 

Se vc chegar e/ou partir de trem de Firenze, é muito cômodo ficar perto da estação de trem. E é uma região muito tranquila (nada a ver com as regiões perto de rodoviárias no Brasil, que são super decadentes), com vários hotéis. 

Chegamos umas 20h30, fomos para o hotel fazer o check-in e deixar as malas e já saímos comer. Como a maioria dos lugares da rua já estava fechado, fomos no McDonald's, bem na esquina...tá, eu sei que é crime ir no McDonald's num lugar com tantos lugares maravilhosos para comer, mas a preguiça falou mais alto. 13 euros por 2 Big Macs + 0,20 euros por cada ketchup... nunca tinha visto essa de cobrarem pelo ketchup... mas enfim...

No dia seguinte acordamos, tomamos café e fomos passear. Primeiro Santa Maria Novella,

Santa Maria Novella - Igreja de pedra com fachada de mármore. Dentro várias obras de arte, entre elas, uma cruz de Giotto.


depois Santa Maria Maggiore e Santa Maria Dei Fiore (Il Duomo). Vc tinha que ver minha cara de felicidade quando vi o Duomo... =)


Essa construção logo atrás de mim é o Batistério e lá no fundo Il Duomo!!!






olha esses mármores coloridos! é lindo, é perfeito, é magnânimo!!! (estou ficando sem adjetivos)


É lindo, é sensacional, é fantástico...

Tinha uma fila razoável para entrar, mas achei melhor encará-la do que tentar voltar depois... e foi uma decisão sábia... a fila andou bem rápido e em uns 10 minutos estávamos dentro. Aluguei um audioguia (5 euros). Praticamente todas as atrações têm audioguias, então é melhor escolher os lugares em que vc quer alugar um. No Duomo é bom, mas tem lugares melhores. 

A Igreja não tem muitas obras de arte... quer dizer, tem, mas como posso explicar... são obras isoladas, não é uma igreja cheia de afrescos, é mais uma escultura aqui, um quadro ali... e o duomo, q é fora de série:


uau.


O Duomo de Bruneschelli é uma das maiores obras de arte do mundo... acho q não preciso dizer mais nada né?

À tarde fui na Galleria Degli Uffizi (é bom agendar antes pela internet). Entrada 15 euros + 5 euros do audioguia. A Uffizi foi o museu que mais gostei (e olha que fui no Louvre e nos Museus Vaticanos). Mas não adianta, sou muito fã da escola fiorentina. Simplesmente não queria sair da sala Botticelli (salas 10-14), podia ficar morando lá... é muito incrível... os cabelos da Vênus são dourados!


quer ver uma Edna feliz?



Duomo visto da Uffizi

Os museus são ótimos lugares para comprar livros de arte. Infelizmente tive que me conter, porque minha mala já estava com duas toneladas e lamentavelmente não disponho de eunucos para carregar minhas bagagens...hehehh
   
Depois é legal passear pela Via Dei Calzaiuoli, bem no centro de Florença. É um calçadão com lojas legais, muitos lugares para comer e tomar um gelato.  


No final da Via Calzaiuoli tem a Piazza della Signoria, onde ficam o Palazzo Vecchio e a Uffizi.



Palazzo Vecchio




réplica do Davi de Michelangelo - original na Galleria dell'Academia


No dia seguinte fomos passear no Mercado Central de manhã. O mercado em si estava fechado (não sei se temporária ou permanentemente). Mas na frente dele tem uma feirinha muito legal. Tem umas quinquilharias e umas coisas falsifix, mas também tem muita coisa legal, acho que principalmente os artigos de couro valem a pena. E não são só as barraquinhas, tem também várias e várias lojas de couros com casacos, jaquetas, bolsas, malas, carteiras...Ah, também é legal comprar as cartas fiorentinas! 


Ali pertinho do Mercado Central tem a Igreja de San Lorenço e a Capela Medici. Na Capela Medici têm esculturas que o Michelangelo fez para o túmulo dos Médici, A família da época em Firenze.


À tarde fui na Galleria Dell'Academia. Olha, esperava mais. Mas eu sou uma pessoa que gosta mais de pintura do que de escultura. Vale a visita só pelo Davi e pelos escravos de Michelangelo. Só, como se isso fosse pouco heheheh
Eu diria que o que salva o audioguia é exatamente a descrição dos escravos. São quatros escultoras em mármore inacabadas que, segundo o audioguia: "mostram o homem tentando se livrar daquilo que o prende".
O Davi também é muito incrível. Não só pelo tamanho, pela perfeição, pelos detalhes (ele tem veias!!!), mas pela expressão.


No último dia em Firenze acordei cedo e saí fotografar. É muito bom fazer isso! Olha só:









Como não amar essa cidade?
Como?
Como???? hehehe
fiquei muito feliz com esse espelho d'água. Isso vc só consegue bem cedo ou no entardecer, porque o sol tem que bater nos prédios para refletir na água.  


À tarde fomos fazer um citytour com a City Sightseeing. Não lembro se foi 15 ou 20 euros por pessoa/dia. A empresa faz duas linhas, uma que percorre Florença e outra que vai até Fiesole, que é uma micro cidadezinha no alto da colina, de onde se tem uma vista espetacular de Florença, onde têm muitas ladeiras mas não tem muitas coisas para fazer não. 


Achei muito bom o tour. Descemos perto da ponte Vecchio para visitar as joalherias da ponte (todas essas casinhas que aparecem na Ponte são joalherias, é o único tipo de comércio que pode ter lá) e para visitar a  Santa Croce.


Santa Croce e a estátua de Dante (e um cara nadavê)


A Santa Croce tem os túmulos de ninguém menos que Galileo Galilei, Michelangelo, Machiavel e Dante Alighieri. Tá bom ou quer mais? 


túmulo do Michelangelo na Santa Croce...sabe como é fã, não pode perder uma foto com o ídolo...


Depois voltamos pro ônibus e descemos na Piazza Michelangelo, vista linda de Florença:

Preços de entradas/audioguias/etc.

Entrada Santa Maria Novella 3,50 (grátis acima de 65 anos)
Entrada Uffizi 15,00
Audioguia Uffizi 5,00
Entrada Academia 15,00
Audioguia Academia 5,50
Audioguia Duomo 5,00
Entrada Capela Medici 6,00
Entrada Santa Croce 5,00 (8,00 se combinada com a entrada da Casa Buonarotti)

domingo, 17 de julho de 2011

Veneza!









Veneza de 30 e 31 de maio de 2011



Já viu o filme 'O Turista', com a Angelina Jolie e o Johnny Depp, em que eles se encontram no trem que vai de Paris para Veneza? Pois é, o trem de verdade não tem nada a ver com o do filme! Muito menos glamour... 
Sem falar que a viagem é mega cansativa... saí de Paris 20h30 do domingo para chegar em Veneza só as 9h30 do dia seguinte, segunda-feira... exausta. Mesmo viajando de 1ª classe não é lá essas coisas não...

Enfim, chegamos na estação Santa Lucia e de lá pegamos o vaporetto nº 1 até San Zaccaria - Danieli. A viagem durou uns 40 minutos. O esquema do vaporetto é assim: você pode comprar um bilhete de 60 minutos-one way com direito a uma mala por 6,50 euros. Também tem bilhetes de 12h, 24h ou 36h. 

Não tinha uma opinião formada sobre Veneza antes de chegar à cidade. Já tinha ouvido falar que era linda, sem comparação com qualquer outra cidade do mundo, mas também já tinha ouvido falar que a cidade cheirava muito mal e tinha muitos ratos. Ou seja: podia ser o céu ou o inferno.

Mas é o céu!

Peguei dois dias lindos de sol, nessa cidade que tem fama de nublada/chuvosa.

Sei que vai parecer repetitivo, mas Veneza também tem um ar diferente! heheheh É uma cidade incrível: construções belíssimas literalmente dentro daquele mar verdinho. É como um sonho bom...



Fiquei hospedada no Hotel Antigo Trovatore, localizado atrás do Hotel Danieli (o bam-bam-bam de Veneza) e muito perto da Piazza San Marco. Super recomendo! Quarto grande, banheiro grande, hotel limpo, café da manhã gostoso e staff gentil.

Na Piazza San Marco estão algumas das atrações principais de Veneza: a Basílica de San Marco, o seu Campanário e o Palazzo Ducale. Se seu tempo em Veneza for curto, vá nesses três.




Primeiro fui ao Palazzo Ducale (entrada 14 euros e dá direito aos outros museus da Piazza San Marco). É uma construção ricamente decorada. O Palácio dos Doges foi a sede do governo veneziano. Destaque para a escada de ouro e a sala do Conselho Maior. Pelo que eu entendi, são várias salas de reuniões, de diferentes tamanhos: desde 10 pessoas até a sala do conselho maior, que é grande mesmo. Também tem uma parte que era a prisão: os caminhos são bem estreitos e até meio claustrofóbicos. Passei pela Ponte dos Suspiros, foi bem legal estar do outro lado, olhar e ver todos os turistas tirando fotos.

Palazzo Ducale visto do Campanário

Depois fui ao Campanário (8 euros, tem elevador). Uma linda vista de Veneza e um ótimo lugar para fotos! 

Agora o Campanário visto do Palazzo Ducale

Basílica San Marco e Palazzo Ducale vistos do Campanário (olha a sombra dele ali ó.)


Outras atrações:


Igreja San Zaccaria

Igreja San Giovanni e Paolo - entrada de 2,50 euros, mas super vale a pena. A Igreja é linda e fotos (sem flash) são permitidas. Várias obras de arte. O som de um órgão (não sei se fica tocando direto) dá um ar especial.

Galeria Dell'Academia - destaque para a obra de Carpaccio sobre Santa Ursula: uma série de painéis que retratam a vida da Santa (e uma grande chance de conhecer o vermelho-carpaccio). A Academia também abriga o Homem Vitruviano de Da Vinci, mas infelizmente ele não fica exposto, por ser uma obra muito frágil.
É interessante reparar também nas obras da escola veneziana, ainda mais se vc for a Florença também, para depois poder comparar com a escola fiorentina. A escola veneziana usa tons mais sóbrios, até mais sombrios, enquanto a escola fiorentina é mais luminosa e colorida.


Basílica San Marco - atenção aos trajes, não só aqui mas em todas as igrejas italianas, é proibido entrar de shorts ou saias acima do joelho, blusas sem mangas ou com as costas descobertas. Também não é permitidos entrar com mochilas (nem mesmo as pequenas). Na entrada da Basílica tem uma placa indicando onde vc deve guardar sua mochila (sem custos).  E assim, não pode, NAO PODE. Nem perca seu tempo na fila, porque na porta de entrada tem um cara super rígido verificando pessoa por pessoa.
Também não é permitido fotografar. Sempre tem fila, não cobra entrada. 
Na Basílica de San Marco estão as relíquias (restos mortais) do Apóstolo São Marcos. A Igreja é toda dourada (não tenho 100% de certeza que é ouro mesmo, mas provavelmente é sim).


foto proibida

Veneza é uma cidade cara. Para vc ter ideia: entrei numa pizzaria bem simples e morri com 40 euros numa conta para 2 pessoas! 10 euros cada pizza (as pizzas eram individuais), mais 5 do couver, mais 5 de cada refrigerante, mas o serviço... e olha, a pizza era ruim! Depois dessa desisti de vez de comer em restaurantes e vivi a base de sanduiches... o que não foi uma má ideia, já que não estamos falando de pão com bife, mas de ciabatta com presunto de parma e alcachofras...hehehe! Os panini (sanduíches) custavam em torno de 4 euros e servem até duas pessoas com média fome. Uma dica boa é pedir para eles fazerem na chapa (signore, si puó fare caldo?). Na Itália é muito comum cobrar um preço mais alto se você sentar, explicando melhor, no balcão é um preço, na mesa (tavolo) é outro. E não adianta bancar o esperto, pedir no balcão e sentar porque vão te cobrar o serviço da mesma forma.

Outra coisa: em Veneza é proibido sentar no chão ou nas escadas dos monumentos, e não existem bancos de praça. Assim, se quiser descansar ou vai ter que sentar em algum restaurante/café ou ir para o hotel. Aí é que está uma das imensas vantagens de ficar em Veneza Santa Lucia e não em Veneza Mestre. 

Acho q não falei disso ainda: Veneza Mestre é a parte continental, Veneza Santa Lucia é o conjunto de ilhas, a parte histórica e bonita. Óbvio que a tendência é que os hotéis em Mestre sejam mais baratos, mas lembre que vc vai ter que pegar o ônibus e o vaporetto, sem contar o tempo que vai perder (e numa viagem dessas, tempo é dinheiro!).

Veneza e a superpopulação de turistas: Veneza deve ser uma das cidades mais visitadas do mundo, assim, prepare-se para uma multidão de pessoas de todos os lugares possíveis e imagináveis. Se quiser ter a cidade só para você e tirar fotos sem 1 milhão e meio de pessoas aparecendo, levante cedo (bem cedo, tipo na hora que o sol raiar) e saia caminhar pela cidade. Além de paz e tranquilidade, vai pegar uma luz maravilhosa!



Piazza vazia! Milagre da madrugada!!! =)







Em Veneza é muito difícil você não se perder nenhuma vez. As ruas são todas muito parecidas e não tem nada a ver com os mapas! Então o negócio é relaxar e não se importar em andar um pouco em círculos. 

Fiquei pouco mais de um dia em Veneza, cheguei na estação às 9h30 e na cidade mesmo lá por umas 11h e fui para a estação no dia seguinte lá por umas 16h. Foi pouco tempo, mas deu para ver uns 80% do que eu tinha planejado. 

Como geralmente as pessoas ficam menos tempo em Veneza do que nas outras cidades, minha dica é: planeje sua viagem com antecedência, faça uma lista do que vc quer muito ver e do que seria um extra, assim seu tempo renderá melhor. Também é bom ficar ligado nos dias e horários em que as atrações abrem fecham.

Da minha lista de atrações faltou visitar a Igreja de Santa Maria della Salute, o museu Peggy Guggenheim e a Igreja Santa Maria Gloriosa dei Frari. Fica pra próxima!

sexta-feira, 8 de julho de 2011

Paris!

Paris de 25 a 29 de maio  de 2011


Primeira viagem Europa, planejada desde sempre!



 E finalmente chegou! E já passou! Mas valeu muuuito a pena!

Viajei com minha mãe. Fomos com a TAP Portugal, do Rio para Lisboa e de lá para Paris (Orly).

Agora minhas impressões sobre a cidade: Paris tem um ar diferente. Não sei explicar direito, mas É diferente.

Logo do avião já deu para ver a Torre Eiffel. É incrível! Eu sinceramente não apostava muito na Torre Eiffel, mas vê-la de perto foi uma verdadeira experiência! E a maneira como ela é integrada na rotina dos parisienses também é mto legal. Em frente a ela tem um grande gramado, onde as pessoas sentam, conversam, comem... mto social!




Depois de conhecê-la, fui até o Arco do Triunfo, que também é bem bacana. O problema é que ele fica bem no meio do agito do trânsito, então contorná-lo foi uma tarefa um pouquinho complicada.



Depois, segui andando pela Champs-Élysées. Ah, isso é que é avenida!

Lojas maravilhosas! Me realizei na Sephora! Ah o mundo mágico dos cosméticos! Atenção mulheres: melhor já ir com uma listinha do que vcs querem e um limite do quanto pretendem gastar, caso contrário é possível (bemmm possível) estourar o cartão de crédito.

Até queria passear mais no primeiro dia, mas simplesmente não conseguia. Peguei o metrô e voltei pro hotel.



Segundo dia foi o dia das igrejas. Começamos pela Saint Chapelle, que tinha uma fila de uns 30 minutos. A Saint Chapelle (Santa Capela) é uma igreja pequena até, principalmente se comparada à Notre Dame. O grande atrativo são os vitrais. Os da parte térrea são bonitos e os do nível superior, fantásticos!
A entrada custa 8 euros e está incluída no Paris Museum Pass. Eu ia comprar o Paris Museum Pass para 4 dias, mas estava esgotado, estão comprei para 2 dias, 35 euros (Tem de 2, 4 ou 6 dias).

Depois fomos na Notre Dame. Uau. Amei, linda, linda. Não cobra entrada. É possível subir na cúpula (somente escadas) para tirar fotos das famosas gárgulas. Eu não subi porque ainda estava no começo da viagem e estava poupando as forças (mais tarde essa decisão se revelou muito sábia!). 




Comemos ali perto mesmo, um supersanduíche nada francês, mas barato e bem gostoso!

Depois fomos na Saint German des Prés, a igreja mais antiga de Paris, toda em pedra.

E achamos os amados macarróns! Ai como eles são lindos e deliciosos! Compramos numa loja e paramos num café. Ah como a vida pode ser boa.




Dali fomos para a queridíssima Citypharma!!! Simplesmente a melhor farmácia do mundo! hahahahah
Anota aí: Rue Bonaparte, 49. O que tem lá de tão bom? Bom, as linhas completas da La Roche Posay, Bioderma, Vichy, e muitas outras, além de suplementos alimentares como Oenobiol! E tudo com preços ótimos (mesmo em euros).

Acabei indo novamente na Citypharma no sábado e ela estava bem mais vazia (ou melhor, menos cheia). #ficaadica

À noite, mesmo cansada mas querendo fazer valer meu Paris Museum Pass, fui no Museu D'Orsay. Ô coisa maravilhosa de Deus! O prédio é lindo e as obras são fantásticas.  A que chamou mais minha atenção foi o auto-retrato de Van Gogh... muito forte! No D'Orsay são proibidas fotos, então só fiz essa clandestinamente, porque o prédio é mto lindo.



olha a luz nessa foto!

Comi no café que tem lá no museu mesmo e até que tem uns preços bem razoáveis e o atendente é mega simpático. 

Voltei caminhando para o hotel. É longe, mas é muito legal, as ruas são lindas. Fui contornando o rio Sena até chegar na Ponte Concorde. Fiquei lá esperando o anoitecer mas nada de anoitecer (já eram umas 21h!)






Acabei desistindo e fui embora, mas não sem antes passar de novo pela Torre Eiffel, que era no caminho mesmo.

No dia seguinte eu simplesmente não tinha forças para andar! Sério, minhas pernas doíam demais!!! O que me salvou foi minha super meia de alta compressão (na verdade média compressão), que eu comprei para viajar. Sério, quebrou um galhão e eu consegui ir ao Louvre e ao Pompidou. 

Fiquei a manhã no Louvre. Claro que foi pouco tempo! Me concentrei na ala das pinturas italianas (acabei deixando de ver algumas coisas do Michelangelo, que vão ficar para a próxima). 
Obras mais incríveis? João Batista de Leonardo DaVinci e A Liberdade, de Delacroix, esta última por estar em todos os livros de história. O museu como um todo é muito incrível. 




Túmulo de Maria Madalena?

Mesmo quase sem forças fui ao Pompidou, que é o Museu de arte moderna-contemporânea.





Eu adorei a arquitetura dele! Porque acho que faz muito mais sentido colocar obras contemporâneas num prédio contemporâneo... 


E a musiquinha-ruído que toca dentro desse túnel...massa!
Obras mais legais? Pra mim, Kandinski. Mas tudo que vc já viu ou ouviu falar em termos de arte moderna está aí.

Dia seguinte merecia ser light! Fui fazer o passeio de bateaux-mouche com minha mãe (Tem várias empresas que fazem. Fiz com a BATOBUS, 14 euros por pessoas, 1 dia). 
É um passeio legal, um outro ponto de vista da cidade. Você pode descer em qualquer um dos pontos, passear e voltar pro barco.

Descemos na Saint Germain des Près (para ir na Citypharma) e na Champs Elysèe (para ver a Opera Garnier e ir nas Galerias Lafayette).

Opera Garnier

Um lugar que eu queria muito conhecer era as Galerias Lafayette (claro que não mais que o Louvre!). Mas me decepcionei um pouco. Realmente lá é o luxo do luxo. Mas é um luxo do luxo mega lotado! Sério! Tipo passar esbarrando nas pessoas. Isso no piso térreo, que entre os coisas tem a parte dos cosméticos. Nos demais andares fica mais tranquilo. Fizemos um lanche lá... o melhor da minha vida!!! Café latte aromatizado, quiche de salmão e para finalizar um macarrón de framboise! Se um dia eu for condenada à cadeira elétrica é bem possível que peça isso como minha última refeição! kkkk

Para minha última noite em Paris programei para sair fazer fotos noturnas. Nessa época do ano anoitece bem tarde (depois das 21h30). 

Começando com um belo pôr-do-sol

amarelo e azul

porque Paris é dourada!


Pont de la Concorde


outro ponto de vista

video

No último dia também uma programação light: de manhã fomos a Tour Montparnasse, uma maravilhosa vista de Paris! 

Tour Montparnasse
À tarde, Jardins de Luxembourg, programa típicos dos parisienses nos domingos. Isso é uma coisa que gosto muito: fazer o que as pessoas do lugar fazem e não só os programas típicos de turistas. Os Jardins são ótimos para relaxar, tomar um solzinho, fazer um picnic, comer um crepe de nutela ou um sorvete de framboesa! 
Impressões gerais: os parisienses sabem viver! São bonitos, elegantes. Compram flores, passam horas e horas em cafés, fazem picnics na frente da Tour Eiffel. Têm supermercados maravilhosos, cosméticos fantásticos e perfumes inigualáveis. E não são grosseiros (se vcs souber como abordá-los).
Vocabulário ultra-básico (para pelo menos ser gentil):
pardon: perdão - use para começar suas frases ao falar com um desconhecido.
excuse-moi: com licença - idem
s'il vous plait: por favor
je ne parle français: eu não falo francês (usei mto essa! hahahah, seguida de:
parle-vous anglais? : vc fala inglês?
je cherche...: eu procuro...
(obs: eu não falo francês, então pode ser que tenha algo escrito errado aí em cima, mas a intenção foi das melhores!)
Onde comprar:
Citypharma
Sephora
Galeries Lafayette (de preferência na Tiffany's hahahahha... brincadeirinha... pode ser na Cartier tb....kkk)
Monoprix: mercado. Frutas lindas, pães, vinhos, queijos e vende também comidas prontas.

Dicas gerais, contratempos e etc:







Viajei do Rio para Paris fazendo conexão em Lisboa, assim a imigração (e as compras de free shop) foram feitas em Portugal.


Como tem uma conexão em Portugal, é preciso passar pelo raio-x de novo ao embarcar para Paris, ou seja, existe o limite de líquidos (embalagens de 100ml até o máximo de 1l).

Chegamos em Paris dia 25 de maio, lá pelas 14h. Meu plano era pegar um táxi e pronto, chegaríamos fácil ao Ibis Tour Eiffel.

MAS, os táxis estavam em greve. O que complicou muito nossas vidas. Lá fomos eu e minha mãe pegar o Orlybus (6,60 euros/pessoa). O que seria muito simples se nossas malas não fossem enormes. Sim, preciso aprender a carregar menos coisas.

Enfim, pegamos o Orlybus, descemos na estação Denfert Rochereau, onde pegamos a linha 6 do metrô até a estação Cambronne, que fica a uns 150m do hotel, no máximo. Agora, o que dificulta a vida do viajante são as escadas. A Denfert e a Cambronne, assim como diversas estações têm MUITAS escadas (mas eu disse muitas).

Nos dias em que estivemos em Paris vimos muitas pessoas andando com malas pelas estações do metrô. Mas as malas eram pequenas. Das duas uma: ou os europeus são realmente muito mais econômicos que os sulamericanos na hora de arrumar as malas ou eles estavam viajando só para um fim de semana!

Ou seja, quanto menores forem suas malas, maior será sua mobilidade (conclusão óbvia!)